Thursday, June 22, 2017

Schools : Let your students give a try on visual music : Oskar Fischinger





Oskar Fischinger
Center for Visual Music

What a fantastic DoodleToday, Google celebrates the 117th birthday of the influential filmmaker and visual artist Oskar Fischinger who died in 1967. He was known for pairing abstract visuals with musiclong before computer graphics and music videos.



Oskar Fischinger’s 117th Birthday

https://www.google.com/doodles/

"In the world of design, Fischinger is a towering figure, especially in the areas of motion graphics and animation," wrote Google's Leon Hong, the doodler designer.



"Oskar Fischinger is the father of Visual Music. “Decades before computer graphics, before music videos, even before Fantasia (the 1940 version), there were the abstract animated films of Oskar Fischinger (1900-1967), master of ‘absolute’ or nonobjective filmmaking who created who created music and jazz.” 
John Canemaker, New York Times
A master of motion and color, Fischinger spent months - sometimes years - planning and handcrafting his animations.
His films, most of which were made from the 1920s to 1940s, left Hong awed and puzzled - how could he make such magic without computers?



Oscar Fischinger
credits: Center for Visual Music

Some information:
Oscar Fischinger was born on the summer solstice in 1900 in Gelnhausen, Germany. 
He originally chose music as a career, studying violin and organ building (which attracted him because it combined precise knowledge of technical processes with mathematical harmonic theory) before 1914. 
Too young and unhealthy for war duty, he was trained in architectural drafting and tool design. 
Around 1920 in Frankfurt, he met Dr. Bernhard Diebold at a literary club. Seeing Fischinger's abstract scroll sketches, Diebold urged Oskar to take up abstract filmmaking. In April 1921, Fischinger was thrilled by the first performance of Walther Ruttmann's Lichtspiel Opus 1 (an abstract film with a live musical score) and vowed to devote himself to absolute cinema, which could best combine his skills in music and graphic art. He resigned his engineer's job and moved to Munich to become a full-time filmmaker.


Fischinger's Allegreto detail
https://www.pinterest.com/
Fischinger was a major figure in the development of filmic abstraction and ‘visual music’. 
Oskar Fischinger is the father of Visual Music. “Decades before computer graphics, before music videos, even before Fantasia (the 1940 version), there were the abstract animated films of Oskar Fischinger (1900-1967), master of ‘absolute’.


In 1926, the German filmmaker Oskar Fischinger pioneered one of the first immersive multimedia performances using abstract films, creating dynamic new possibilities for cinema as an art form.
Like László Moholy-Nagy, who presented Fischinger’s work at the Bauhaus, he developed a radical approach to abstraction working with light, space, time and movement. 
Using dazzling colour and experimental animation techniques including unique wax experiments, Fischinger strove to push aside narrative and reduce cinema to pure plane, scale, motion, rhythm and colour, in search of the absolute.


Although mostly known for his films, Fischinger was also a prolific painter, creating numerous works that capture the dramatic movement and feeling of his films within a single frame.
Unsatisfied with traditional media, he also invented a contraption, the Lumigraph, for generating fantastic chromatic displays with hand movements — a sort of optical painting in motion and a precursor to the interactive media and multi-touch games of today. 
He emigrated to Los Angeles in 1936, where he lived until his death in 1967.  Fischinger died in 1967 but to this day many of his works are in the Center for Visual Music in Los Angeles.
From his office at Paramount Pictures in Hollywood, Fischinger produced entrancing animations synched to popular and classical music, and he contributed fantastical sequences to Walt Disney's Fantasia and Pinocchio.





screenshot Google Doodle Oskar Fischinger's page


Education:

Google is celebrating Oskar Fischinger with an interactive Doodle that lets us create our own audio-visual masterpieces in the abstract animator's distinctive style. Here a original digital resource to include into school curriculum.


Before inviting your students to explore the Doodle, introduce  Fischinger by the video below:




Now, ask your students to click on Google Doodle that leads to a page where they can visually compose music by selecting dots on an 11x16 grid. 
Each dot represents a note, and they can select between four different  musical instruments. 
The composition is played on loop. What an experience! They will love to do that. Composing their own music playing an instrument or another. Their choice and free inspiration.



screenshot Google Doodle Oskar Fischinger's page


After some random clicking, they will be able to put together something that will sound interesting. I'm sure! Students are creative, you will see.
If you want your students to be interested in music and Fischinger visual music, ask them to give a try. You will hear plenty of new graphic compositions during your lesson.
An immersive experience in experimental visual music that teachers should not waste as a good motivation to let students learn about music.
Don't forget to include into your lessons today and tomorrow. It's a awesome digital resource to include into school education.
Google Doodle team wanted you and students make our own visual music composition in honor of filmmaker and abstract animatorOskar Fischinger.

"Music is not limited to the world of sound. There exists a music of the visual world,"
Oskar Fischinger

G-S

22.06.2017
Copyright © 2017G-Souto'sBlog, gsouto-digitalteacher.blogspot.com® 
Creative Commons License
Schools : Let yoour students give a try in visual music : Oskar Fischinger bG-Souto is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License

Sunday, June 18, 2017

Educadores : William Faulkner : A Árvore dos Desejos, único livro infantil do autor





A Árvore dos Desejos, 2017
William Faulkner
ilustrações originais: Don Bolognese

Há uma nova colecção infanto-juvenil da editora Ponto de Fuga que se iniciou no passado dia 5 Maio 2017 com o livro de William Faulkner A Árvore dos Desejos.

A colecção será composta por escritores que não são autores de livros infantis, como explicou o editor Vladimiro Nunes, mas que escreveram uma ou duas obras para crianças e adolescentes.

Trata-se do único livro infantil do grande escritor, Prémio Nobel da Literatura em 1949.


A Árvore dos Desejos, 1967
William Faulkner
ilustrações:  Don Bolognese

The Wishing Tree, no título original, foi escrito pelo romancista norte-americano William Faulkner, Prémio Nobel da Literatura (1949). Este foi escrito depois da publicação do seu primeiro romance, A Recompensa do Soldado (1926).

Um ano depois de publicar Soldier´s Pay (1926), Faulkner escreveu esta novela infanto-juvenil para dar de presente de aniversário a filhos de amigos.



The Wishing Tree, 1964
William Faulkner
ilustrações:  Don Bolognese
  
Os exemplares eram produzidos exclusivamente para cada criança, e pelo próprio Faulkner, geralmente em folhas coloridas e com dedicatória.

Como eram impressos em papel-carbono, o autor modificava uma passagem ou outra da história, dependendo dos aniversariantes. 

The Wishing Tree foi publicado pela primeira vez no jornal Evening Post, em 8 de Abril de 1967.

Três dias depois, a editora Random House publicaria uma edição ilustrada do texto, que permanece até hoje como a melhor referência.



William Falukner

A 5 de Fevereiro de 1927, Faulkner ofereceu um exemplar de A Árvore dos Desejos, datilografado e encadernado por si, a Victoria Franklin, que celebrava nesse dia o oitavo aniversário.

Victoria era filha de Estelle Oldham, uma antiga namorada de adolescência por quem o escritor continuava apaixonado, e com quem veio a casar em 1929, depois de a convencer a pôr termo a um casamento infeliz.

Na dedicatória que faz a Victoria, e a abrir a história, escreveu: “Para a sua querida amiga Victoria, quando ela completou oito anos, fez o Bill este livro”:


To Victoria
‘. . . . . . . I have seen music, heard
Grave and windless bells; mine air
Hath verities of vernal leaf and bird.

Ah, let this fade: it doth and must; nor grieve,
Dream ever, though; she ever young and fair.’

Além de Victoria, Faulkner ofereceu também um exemplar de A Árvore dos Desejos a uma outra menina, muito doente, filha de amigos. Anos mais tarde, em 1948, ofereceu exemplares do mesmo livro a outras duas crianças.

Até à sua morte, em 1962, a história nunca foi publicada.

Foi Victoria quem deu a conhecer The Wishing Tree, após a morte do autor e, em 1964, a editora Random House publicou esse texto “num livro-objecto magnificamente ilustrado por Don Bolognese com tiragem limitada e numerada de quinhentos exemplares."

  

The Wishing List
1st edition, 1964
William Faulkner

Sinopse:

Se alguém “virar o travesseiro de lado antes de pegar no sono, tudo pode acontecer”. No dia do aniversário de Dulcie, ela é acordada por um estranho menino ruivo, chamado Maurice. Ele a convida para irem até a árvore dos desejos. E acompanhada de seu irmão caçula, Dicky, da criada Alice e do amigo George, partem nesta estranha viagem. Uma das perguntas que guia o interesse do leitor é: o que Maurice tirará de sua sacola? Ou até mesmo, quem é Maurice? Tudo ganha um ar esquisito e mágico quando o menino retira um pônei da sacola e assopra até que ele possa ser montado. E no decorrer da viagem, outros personagens passam a integrar a comitiva, como o simpático velhinho Egbert, que alega saber onde fica a árvore dos desejos, pois já esteve lá mais de cem vezes; e um soldado desiludido com a guerra, que acaba por produzir um diálogo cômico com o velhinho, apenas perceptíveis aos olhos de uma criança.




The Wishing Tree, 1964
William Faulkner
ilustrações:  Don Bolognese

Em 1927, quando escreveu o livro infantil A Árvore dos Desejos, o escritor norte-americano William Faulkner iniciava-se como escritor. Escrevera apenas poesia e o seu primeiro romance A Recompensa do Soldado (Soldier's Pay).



Soldier's Pay
1st edition, 1926

Anos depois, Faulkner escreveria O Som e a Fúria (The Sound and The Fury) 1929, To God Down Moses (1949) e Absalão, Absalão (Absalom, Abasalom!), 1949, que são consideradas obras-primas da literatura do século XX.

The Wishing Tree, tradução portuguesa A Árvore dos Desejos surgiu, portanto, num momento de transição. Faulkner (cujo verdadeiro nome era Falkner, acrescentou o "u", detalhe que o diferenciou do avô, Wlliam Falkner, autor de novelas de amor. 



A Árvore dos Desejos, 1964
William Faulkner
ilustrações:  Don Bolognese

Faulkner adorava contar histórias para crianças e o livro foi escrito depois de ter sido demitido da estação de correios onde trabalhava... 'porque lia demais'. 

"No dia do seu aniversário, Dulcie desperta com a presença de Maurice, um estranho miúdo ruivo, que lhe promete uma viagem inesquecível em busca da Árvore dos Desejos. Outras crianças se juntam à caravana, rumo à floresta, onde conhecem diversos seres muito especiais."

A Árvore dos Desejos alterna o fantástico com o real, em personagens que encolhem, póneis e escadas que cabem dentro de sacas a tiracolo 'lerofantes' (sim, uma espécie de elefante), rio correndo na vertical e... uma árvore mágica.



The Wishing Tree
William Faulkner
ilustrações:  Don Bolognese

Uma história “onírica e poética, com personagens que encolhem, árvores que têm poderes mágicos ou póneis que saem de uma saca a tiracolo. Antecipa vários recursos narrativos e estilísticos de um dos romances mais célebres do autor”, O Som e a Fúria, lê-se na nota introdutória.



O Som e a Fúria
William Faulkner, 1929
Prólogo de António Lobo Antunes
edição portuguesa, 2012
  
Segundo o editor, este livro é uma espécie de cruzamento entre Alice no País das Maravilhas O Som e a Fúria, “porque a história é feita na mesma altura e serve para testar algumas questões narrativas desta obra”.



 Don Bolognese, ilustrator

Don Bolognese nasceu em Nova Iorque em 1934 e dedicou-se sobretudo ao ensino artístico e à ilustração de perto de uma centena de livros infantis.~

“Seguiu-se, em 1967, uma edição convencional, também ela há muito esgotada, que serviu de base a esta primeira edição portuguesa”

Ponto de Fuga




The Wishing Tree
William Faulkner,1967
ilustrações:  Don Bolognese
Na mesma coleção infanto-juvenil da Ponto de Fuga vão sair também livros de Ted Hughes. Serão lançados O homem de ferro e A mulher de ferro.

“Do poeta americano E.E. Cummings, vamos editar quatro histórias para crianças, um livro infantil maravilhoso, que conseguimos que a versão portuguesa fosse feita por Hélia Correia e as ilustrações por Rachel Caiano”.

 Vladimiro Nunes, editor

A Árvore dos Desejos é pois o único livro infantil de William Faulkner agora publicado, e pela primeira vez, em Portugal.

O editor adiantou ainda que “mais para a frente” irá pegar novamente em Gertrude Stein e num seu clássico infantil intitulado O mundo é redondo.

A “sensação de infância” que toma o leitor é instantânea, caçando nos meandros da memória aqueles momentos que parecem tão distantes. Somente um escritor com uma poesia interna, como o Faulkner, consegue ativar conexões emotivas como estas.




The Wishing Tree (page 5)
William Faulkner,1967
ilustrações:  Don Bolognese
Recursos online: 

 A Árvore dos Desejos está disponível em Português (excerto) para leitura online
 e em Inglês (excerpt) online reading.

Nada como começar a ler. E os jovens adoram leitura digital.

Níveis de Ensino: 

Ensino Básico (3º ciclo); Ensino Secundário (10º ano).
Currículos:
Em projecto transcurricular de Línguas : Língua Portuguesa/ Inglês LE1 pode ser feito o estudo da obra, com acompanhamento de actividades curriculares complementares nas duas línguas.
 Actividades:
  • Solicitar aos alunos que utilizem tablets, smartphones ou computadores para pesquisa na Internet da edição do livro em inglês e em Português. Não esquecer a recolha dados sobre o autor William Faulkner
  • Impressões/Discussão: Já conheciam o livro? Já tinham ouvido falar do autor? Em casa? Em contexto escolar?
  • Introduzir o livro A Àrvore dos Desejos/ The Wishing Tree nos currículos de Línguas, solicitando aos alunos a leitura digital de curtos excertos disponíveis online, seguida de leitura integral.
  • Solicitar à biblioteca da escola, a aquisição desta edição juvenil para que no próximo ano lectivo (início Setembro), a leitura continuada em sala de aula seja possível.
  • . Os alunos que tenham disponibilidade económica para comprar livro, serão livres de o fazer. Acompanharão a leitura de forma mais personalizada em espaço escola/casa.





The Wishing Tree 
William Faulkner,1967
ilustrações:  Don Bolognese
Algumas pensamentos:

Escrevo agora com mais assiduidade em 
Português. Embora o perfil dos meus seguidores seja 90% internacional - Estados Unidos é o país onde tenho a grande maioria de meus leitores - tenho vindo a constatar que o número de leitores de língua portuguesa tem aumentado muito, o que me apraz.


Depois do sucesso 
Ler O Código da Vinci, versão juvenilVisitas de Estudo : Jane Austen em Portugal ; Leituras em Língua Portuguesa, Manuel A. Pina ; Livros e Pop singers : Estratégias para jovens leitores Leituras em Línguas Portuguesa ; Ler nas Aulas de Português : Vasco Graça Moura ; Antero de Quental: homenagem Google doodleentre várias outra propostas de leitura para Ensino Básico (2º e 3º ciclos) e Secundário, decidi introduzir mais um livro infanto-juvenil, A Àrvore dos Desejosde Wlliam Faulkner, autor que muito aprecio, dando assim continuidade à ficção mundial, traduzida em português, em edições para adolescentes.


The Nobel Prize in Literature 1949 was awarded to William Faulkner "for his powerful and artistically unique contribution to the modern American novel".

Nobel prize

G-S

18.06.2017
Copyright © 2017G-Souto'sBlog, gsouto-digitalteacher.blogspot.com® 



Creative Commons License
Educadores : William Faulkner, A Árvore dos Desejos, único livro infanto-juvenil do autor bG-Souto is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License